Alfabetização ecológica e a percepção de estudantes de uma escola pública de Parintins – Amazonas

Resumo

Este artigo apresenta resultado de discussões e reflexões analíticas de pesquisa do mestrado em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia, na perspectiva da Alfabetização Ecológica e a percepção dos estudantes de uma escola pública de Parintins. A compreensão do lugar e do ambiente se traduz em conhecimento a partir do construir de cada estudante por viver o lugar. Objetivamos compreender a aprendizagem de crianças ribeirinhas a partir da articulação da Alfabetização Ecológica com a dinâmica dos ecossistemas de várzea e terra firme, evidenciando os efeitos que geram nas suas percepções e representações socioambientais do lugar de vida. Para construção do referencial teórico nos valemos de Capra (1990; 2006), Morin (2005), Jacaúna (2012), Freire (2011), Gonzaga (2013), Merleau Ponty (1999). O artigo é de caráter qualitativo e fenomenológico, dialogando com a pesquisa-ação. As técnicas de coleta de dados utilizadas foram à observação participante, diário de campo e um terrário, dentro de uma Sequência Didática. Para analisar os dados utilizamos a Análise Fenomenológica. Os sujeitos da pesquisa foram 14 (dez) alunos de uma escola Pública Municipal de Parintins. A pesquisa teve duração de 4 (quatro) meses. Todavia, fez-se uso, para a escrita desse artigo, de apenas 10 alunos. Os dados obtidos revelaram que os sujeitos demonstram conhecer, de maneira genérica, os conceitos da ecologia, apontando, portanto, indicadores de Alfabetização Ecológica. Por ora, conclui-se essa etapa da pesquisa, porém, a deixamo-la em aberto para novos comentários, corroborações e refutações.

Biografia do Autor

Mateus de Souza Duarte
Mestre em Educação em Ciências na Amazônia- PPGEEC- UEA, ano de 2019. Foi Bolsista da Fundação da Amparo a Pesquisa do Estado do Amazonas - FAPEAM, 2017/2019. Foi Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), 2012/2016. Participa do Grupo de Estudo e Pesquisa de Educação em Ciências em Espaços Não Formais (GEPENCEF). Tem experiência em pesquisa na Educação, nas áreas do Ensino de Ciências, Espaços Não-Formais, Divulgação Científica, Alfabetização Ecológica, Educação e Percepção Ambiental, Escolas e Comunidades Ribeirinhas, Saberes Tradicionais, Percepção e Criança, Saberes Docentes. Graduado em Licenciatura em Pedagogia pela Universidade do Estado do Amazonas- UEA, 2016. Especialista em Gestão Escolar e Coordenação Pedagógica pela Faculdade de Ciências de Wenceslau Braz-FACIBRA, 2016.
José Camilo Ramos de Souza, Centro de Estudos Superiores de Parintins/UEA

Doutor em Ciências obtido no Programa de Geografia (Geografia Física) Professor da Universidade do Estado do Amazonas-UEA. Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia (PPGEEC) Mestrado em Educação em Ciências na Amazônia

Publicado
2020-03-21