Educação ambiental: práticas pedagógicas com docentes da educação básica em São Paulo / SP

  • Marcia Freitas Silva Escola Técnica Estadual Irmã Agostina
  • Luci Mendes de melo Bonini Universidade de Mogi das Cruzes
  • Renata Jimenez de Almeida-Scabbia Mestrado em Políticas Públicas da Universidade de Mogi das Cruzes

Resumo

Estudam-se práticas interdisciplinares de Educação Ambiental (EA) para a sala de aula voltadas para professores de Educação Básica: Ensino Fundamental II e Ensino Médio, tendo como foco o solo e suas propriedades. São objetivos deste trabalho descrever uma prática pedagógica interdisciplinar em EA oferecida para professores de Ensino Fundamental II e Ensino Médio em 3 escolas da Zona Sul da cidade de São Paulo com foco no tratamento e avaliação das propriedades do solo para plantio e avaliar como esses professores se sentiram diante desta intervenção. Trata-se de uma pesquisa de natureza descritiva com abordagem quantitativa e qualitativa. Trabalhou-se com 26 professores de diferentes áreas do conhecimento de três escolas localizadas na zona sul de São Paulo que têm horta. Optou-se por apresentar uma proposta uma prática da cromatografia planar que promove a identificação qualitativa das condições do solo. Os resultados demonstraram que todos os docentes têm formação universitária e 48% respondeu que não se preocupa em relacionar diferentes impactos do mal-uso do solo contra 58% que respondeu sim. Deste modo percebe-se nos professores entrevistados que, apesar de que em alguns momentos há a presença da abordagem tradicional, observam-se mudanças na forma de ensinar e agir em sala de aula. Concluiu-se que ao ser retirado da postura passiva, o professor passa a refletir e integrar novos olhares em relação à educação ambiental e às práticas interdisciplinares, rompendo os limites de suas disciplinas e aceitando novos desafios.

 

Biografia do Autor

Marcia Freitas Silva, Escola Técnica Estadual Irmã Agostina
Bacharel em Química pela Faculdade Oswaldo Cruz, especialista em Educação Ambiental pela Escola de Engenharia da USP de São Carlos e Mestre em Políticas Públicas pela Universidade de Mogi das Cruzes
Luci Mendes de melo Bonini, Universidade de Mogi das Cruzes
Dra. em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, docente permanente do Mestrado em Políticas Públicas da Universidade de Mogi das Cruzes e docente colaboradora do Mestrado em Habitação, tecnologia e Planejamento do IPT-SP
Renata Jimenez de Almeida-Scabbia, Mestrado em Políticas Públicas da Universidade de Mogi das Cruzes
Mestre e Doutora em Ciências Biológicas (Biologia Vegetal) pela Universidade Estadual Paulista 

Referências

BACCI, Denise D.L C e PATACA, Ermelinda C. Educação para a água. Estudos avançados 22 (63), 2008. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/eav/article/view/10302. Acessado em: 12.09.2019.

BAIRD, Colin; CANN, Mich. Química Ambiental. 4 ª ed. BOOKMAN: Porto Alegre. 2012

BARBIERI, J. C. Educação ambiental e gestão ambiental na formação de um administrador: uma visão do quadro regulatório. São Paulo: Ottoni, 2012

BARBIERI, José Carlos; SILVA, Dirceu da. Desenvolvimento sustentável e educação ambiental: uma trajetória comum com muitos desafios. RAM, Rev. Adm. Mackenzie (Online), São Paulo , v. 12, n. 3, p. 51-82, June 2011. Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-69712011000300004&lng=en&nrm=iso>. Accesso em 26 Agosto de 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S1678-69712011000300004.

BRASIL, Constituição Federal de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm Acesso em 07 de novembro de 2016

BRASIL, Ministério do Meio Ambiente. Lei n. 9.795/1999. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=321 Acesso em 07 de Novembro de 2016.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais do Meio Ambiente. Ministério da Educação, MEC, 1998. Disponível em: portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/introducao. Acesso em 02 de maio de 2016.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. A política da Educação Ambiental: Histórico Brasileiro, 2016. Disponível em: http://www.mma.gov.br/educacao-ambiental/politica-de-educacao-ambiental/historico-brasileiro. Acesso em 10 de julho de 2016.

BRASIL. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Lei nº6 938 de 31 de agosto de 1981. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6938.htm. Acesso em 02 de maio de 2016.

CAMARGO, Brigido. V; JUSTO, Ana Maria. Tutorial para uso do software de análise textual. IRAMUTEQ, 2013. (Desenvolvimento de material didático ou institucional – Tutorial de software).

CARVALHO, Isabel C. M. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico 2. ed. São Paulo (SP): Cortez Editora, 2006

DIAS, Genebaldo. F. Os Quinze Anos da Educação Ambiental no Brasil: um depoimento. Em Aberto, n. 10(49), p. 3-14, 1991.

DIAS, Genebaldo. F. Atividades interdisciplinares de educação ambiental. Práticas inovadoras de educação ambiental. São Paulo: Gaia, 2006.

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 10 ed. Campinas: Papirus, 2002.

FRANCO, M. A. R. S. Pedagogia e prática docente. Cortez Editora. Coleção Docência em Formação, 2012.

ISLAM, Khandakar. R.; WEIL, Ray R. Land use effects on soil quality in a tropical forest ecosystem of Bangladesh. Agriculture Ecosystems and Environment, Amsterdam, v. 79, n. 1, p. 9-16, 2000.

JACOBI, Pedro. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, n. 118, março/ 2003

KARLEN, D.L.; WOLLENHAUPT, N.C.; ERBACH, D.C.; BERRY, E.C.; SWAN, J.B.; EASH, N.S. & JORDAHL, J.L. Long-term tillage effects on soil quality. Soil Till. Res., 32:313-327, 1994.

LIMA, Marcelo R. O solo no ensino de ciências no nível fundamental . Ciência & Educação, v. 11, n. 3, p. 383-394, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v11n3/03.pdf. Acesso em 22.08.2019.

MAGALHÃES, Lana. Cromatografia, 2017. Toda Matéria. Disponível em: https://www.todamateria.com.br/cromatografia/ Acesso em 21 de agosto de 2018.

MALAVOLTA, E. Manual de Química Agrícola: nutrição de plantas e fertilidade do solo. São Paulo: Agronômica Ceres, 1976.

MUGGLER, Cristine Carole; PINTO SOBRINHO, Fábio de Araújo; MACHADO, Vinícius Azevedo. Educação em solos: princípios, teoria e métodos. Rev. Bras. Ciênc. Solo, Viçosa, v. 30, n. 4, p. 733-740, Aug. 2006 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-06832006000400014&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 22.08.2019.

REIGOTA, Marcos. O que é Educação Ambiental. São Paulo: Brasiliense, 2017

RIVERA, J. R., PINHEIRO, S. Cromatografía: imagenes de vida y destrucción del suelo. Colômbia, Cali: Impressora Feriva, 2011.

ROCHA, J. C; ROSA, A. H; CARDOSO, A. A. Introdução a Química Ambiental. 2º Ed; São Paulo: Bookmam, 2009.

SAUVÉ, L. Educação ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, n. 31(2), p. 317-322, 2005. Disponível em: http://doi.org/10.1590/S1517-97022005000200012. Acesso 22.08.2019.

SÃO PAULO. CETESB (São Paulo). Qualidade dos solos no estado de São Paulo: bacias hidrográficas dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí. [recurso eletrônico]. UGRHI 5. São Paulo: CETESB, 2015.

SORRENTINO, Marcos; TRAJBER, Rachel; MENDONCA, Patrícia e FERRARO JUNIOR, Luiz Antonio. Educação ambiental como política pública. Educ. Pesqui. 2005, vol.31, n.2 pp.285-299. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022005000200010&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 22.08.2019

VIANNA, L. Panorama da Educação Ambiental no Ensino Fundamental Brasil. Secretaria de Educação Fundamental – Brasília : MEC ; SEF, 2001.

Publicado
2020-03-23