A CONCILIAÇÃO DO TRABALHO GERENCIAL E VIDA PESSOAL DE GERENTES DE UMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA

Palavras-chave: Bancários, Trabalho, Vida Pessoal

Resumo

O final do século XX representou uma época de profundas transformações na economia mundial, como também no setor bancário. Tal mudança resultou em uma rede de cobranças que desequilibra e influencia a realidade profissional de gerentes bancários, incidindo ainda, em aspectos de suas vidas pessoais e familiares. Assim, este estudo objetiva compreender de que forma os gerentes de um banco privado conciliam a prática gerencial e a vida pessoal. A coleta de dados se deu através de entrevistas em profundidade com gerentes de uma agência na cidade de João Pessoa, PB, a partir de roteiros semiestruturados. Os dados foram analisados sob a análise de conteúdo e, após caracterizadas a função do gerente bancário, observou-se o dinamismo entre carreira pessoal e profissional, bem como também foram identificadas as estratégias de equilíbrio entre vida pessoal e desempenho profissional. Os resultados evidenciaram que a forma como os gerentes são cobrados refletiu em uma série de sentimentos que merecem cada vez mais atenção por parte das organizações. O fator ‘tempo’ apresentou-se como um ponto chave da análise e foram encontradas como estratégias de conciliação: a busca por apoio social, gerenciamento do tempo e estabelecimento de atividades.

 

Biografia do Autor

Gabrielle Vieira dos Santos Novaes

Administradora - UFPB

Miriam Leite Farias, UFPE

Doutoranda em administração - UFPE

Bianca Gabriely Ferreira Silva, UFPE

Doutoranda em administração - UFPE

João Henriques de Sousa Junior

Doutorando em Administração (PPGAdm/UFSC), Mestre em Administração (PROPAD/UFPE).

Referências

Aguiar, C. V. N., Bastos, A. V. B., Jesus, E. S., Lago, L. N. A. (2014). Um Estudo das relações entre conflito trabalho-família, comprometimento organizacional e entrincheiramento organizacional. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 14(3), 283-291.

Allen, T. D., Herst, D. E., Bruck, C. S., Sutton, M. (2000). Consequences associated with work-to-family conflict: a review and agenda for future research. Journal of occupational health psychology, 5(2), 278.

Bertay, A. C., Uras, B. R. (2020). Leverage, bank employee compensation and institutions. Journal of Banking & Finance, 111, 105701.

Costa, R., Silva, S. M. C. (2019). Desafios enfrentados por gerentes de agências bancárias. Revista Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas - RECSA. v.8, n.1, jan/jun, 2019, Faculdade FISUL, Garibaldi, RS, Brasil

Feijó, M. R., Goulart Júnior, E., Nascimento, J. M. D., Nascimento, N. B. D. (2017). Conflito trabalho-família: um estudo sobre a temática no âmbito brasileiro. Pensando familias, 21(1), 105-119.

Dejours, C. (1999). A banalização da injustiça social. FGV Editora.

Glass, J. L., Estes, S. B. (1997). The family responsive workplace. Annual review of sociology, 23(1), 289-313.

Godoy, A. S. (2006). Estudo de caso qualitativo. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 115-146.

Gómez-Urrutia, V., Jiménez-Figueroa, A. (2015). El conflicto trabajo-familia ante los derechos al cuidado de niños y niñas. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, 13(1), 137-150.

Silva, A. B., Godoi, C. K.,Bandeira-de-Mello, R. (2000). Pesquisa Qualitativa Em Estudos Organizacionais: Paradigmas, Estratégias E Métodos. Editora Saraiva.

Grisci, C. L. I., Bessi, V. G. (2004). Modos de trabalhar e de ser na reestruturação bancária. Sociologias, (12), 160-200.

Jinkings, N. (1995). O mister de fazer dinheiro: automatização e subjetividade no tarbalho bancário. Boitempo.

Jonathan, E. G., da Silva, T. M. (2007). Empreendedorismo feminino: tecendo a trama de demandas conflitantes. Psicologia & Sociedade, 19(1), 77-84.

Larangeira, S. M. (1997). Reestruturação produtiva no setor bancário: a realidade dos anos 90. Educação & Sociedade, 18(61), 110-138.

Mendonça, M.,Matos, P. M. (2015). Conciliação família-trabalho vivida a dois: Um estudo qualitativo com casais com filhos pequenos. Análise Psicológica, 33(3), 317-334.

Oltramari, A. P., Grisci, C. L. I. (2012). Trajetórias e transições nas carreiras de executivos bancários. Revista Gestão & Tecnologia, 12(1), 126-150.

Peixoto, C. E. (2007). As transformações familiares e o olhar do sociólogo. Sociologia da família contemporânea. Rio de Janeiro: FGV, 11-28.

Pereira, A. M., Queirós, C., Gonçalves, S. P., Carlotto, M. S., Borges, E. (2014). Burnout e interação trabalho-família em enfermeiros: Estudo exploratório com o Survey Work-Home Interaction Nijmegen (SWING). Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, 11, 24-30.

Hernández, R., Fernández, C., Baptista, M. (2014). Metodología de la investigación. México: Mc Graw–H.

Scanfone, L., Neto, A. C., Tanure, B. (2008). Tempos de Trabalho e de Não-trabalho: o difícil equilíbrio do alto executivo entre a carreira, as relações afetivas e o lazer. Revista de Administração FACES Journal, 7(1).

Segnini, L. R. P. (1999). Reestruturação nos bancos no Brasil: desemprego, subcontratação e intensificação do trabalho. Educação & Sociedade, 20(67), 183-209.

Silva, A. B. D. (2005). A vivência de conflitos entre a prática gerencial e as relações em família. 2005 (Doctoral dissertation, Tese (Doutorado em Engenharia de Produção - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis).

Silva, A. B., Rossetto, C. R. (2010). Os conflitos entre a prática gerencial e as relações em família: Uma abordagem complexa e multidimensional. Revista de Administração Contemporânea, 14(1), 40-60.

Silva, E. B., Costa, I. S. A., Freitas, J. A. S. B, Salles, D. M. R. (2019). Meteoro da ilusão: sentidos do trabalho para jovens gerentes de bancos públicos. Cad. EBAPE.BR, v. 17, Edição Especial, Rio de Janeiro.

Silveira, S. S., & Bendassolli, P. F. (2018). Estratégias de conciliação trabalho-família de professores universitários em uma capital do Nordeste brasileiro. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 18(3), 422-429.

Tavares, A. S. (2017). Intensificação do trabalho e qualidade de vida no trabalho: uma conciliação possível? Revista Labor, 1(18):61-74.

Tremblay, D. (2004). Desafios da conciliação entre trabalho e família nas empresas canadenses: experiência sindical e gestão de recursos humanos. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração.

Tonelli, M. J. (2001). Organizações, relações familiares e amorosas. Gestão com pessoas e subjetividade, 243-261.

Publicado
2021-03-05
Seção
Artigos