VALOR PERCEBIDO PELO CONSUMIDOR EM CAFÉS: IDENTIFICANDO ATRIBUTOS E MÉTODOS EM PUBLICAÇÕES CIENTÍFICAS

Palavras-chave: Valor percebido, Experiência, Café, Cafeteria, Casa de café

Resumo

Com contribuições de Vargo e Lusch, após 1980, entregar mais que um simples produto para o cliente tornou-se fundamental na busca por estratégias competitivas que pudessem colocar empresas à frente de suas concorrentes. Preço e qualidade, heranças da visão baseada na lógica dos bens, não são mais suficientes, e, enxergar este produto como meio para propor valor ao cliente, tornando sua experiência de compra, única, torna-se primordial para consolidar a organização no mercado. Este artigo objetiva identificar atributos e aspectos metodológicos do valor percebido pelo cliente em cafés. Para tanto, realizou-se uma revisão bibliográfica nas bases Scopus e Web of Science, das publicações datadas de 2014 a 2019 resultando em 12 artigos relacionados com a temática. O atributo qualidade seguido da experiência foram os mais encontrados na literatura. Quanto aos métodos, predominaram estudos quantitativos com Modelagem de Equação Estrutural para análise de dados. Embora a experiência do consumidor tenha sido explorada, concluiu-se que há poucos estudos do valor percebido em cafés e quase nenhum abordando suas dimensões correlacionadas com as da experiência. Este estudo colabora com a academia porque realiza um apanhado de atributos e métodos encontrados na literatura científica servindo de aporte a novas pesquisas.

Biografia do Autor

Marilza Trindade Mendonça, UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL - UFMS

Possui graduação em Administração pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2011). Atuou como administrador fiscal do Conselho Regional de Administração de Mato Grosso do Sul. Atualmente é administradora  na Fundação Municipal de Esportes - FUNESP da Prefeitura de Campo Grande. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Organizações Públicas. Pós graduada em Gestão Pública Municipal pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS. Administradora colaboradora em Sistemas de Gestão por meio de metodologia BSC (Balanced Scorecard) na Empresa Oportuna Consultoria em Gestão de Agronegócios. Mestranda em Administração pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS. (Texto informado pelo autor)

Matheus Wemerson Gomes Pereira, UNIVERSIDADE FEDERAL DE Mato Grosso DO SUL - UFMS

Doutor em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa (2011), Mestre em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa (2008) e bacharel em Ciências Econômicas pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2005). Integrante do Projeto de Análise de Equilíbrio Geral da Economia brasileira (PAEG). Atualmente é Professor Adjunto da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, atua no curso de Ciências Econômicas e nos Programas de Pós-Graduação em Administração (PPGAD-UFMS) e Ciências Contábeis (PPGCC-UFMS). Pesquisa principalmente nos seguintes temas: métodos quantitativos, modelos de equilíbrio geral computáveis, econometria, análise estatística multivariada, economia internacional, política agrícola, monetária e tributária. (Texto informado pelo autor)

Caroline Pauletto Spanhol Finocchio, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS

Possui graduação em Administração pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2005), graduação em Gestão Específica de Supermercados pela Uniderp (2005), especialização em Planejamento e Tutoria em EAD pela UFMS (2008), mestrado em Agronegócios pela UFMS (2008) e doutorado em Agronegócios pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2014). Atualmente é professora dos cursos de graduação e mestrado em Administração da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Escola de Administração e Negócios. Possui experiência na área de Administração, atuando principalmente com os temas: comportamento do consumidor de alimentos, varejo supermercadista e estudos multidisciplinares. (Texto informado pelo autor)

Referências

BANCO, M., & KOBAKOVA, D. (2018). Turning a commodity into an experience: the “sweetest spot” in the coffee shop. Innovative Marketing. V. 14 (4), p. 46-55. Espanha.

CAMELO, C. de O., THOME, K. M., & RESENDE JUNQUEIRA, A. M. (2018). Coffee and the consumer values of the brazilians. Revista Brasileira de Marketing - REMARK, V. 17 (2), p. 220-236.

CARVALHO, J. M., PAIVA, E. L., & VIEIRA, L. M. (2016). Quality atributes of a high specification product: evidences from the speciality coffee business. British Food Journal. V. 118 (1), p. 132-149.

COVA, B., & SALLE, R. (2008) Marketing solutions in accordance with the S-D logic:co-creating value with customer network actors. Industrial Marketing Management 37 (2008), p. 270–277,. Elsevier. Dezembro.

GIANCALONE, D., FOSGAARD, T. R., STEEN, I., & MÜNCHOW, M. (2016). Quality does not sell itself: divergence between “objective” product quality and preference for coffee in naïve consumers”. British Food Journal. V. 118 (10), p. 2462-2474.

GOI, M. T., KALIDAS, V., & ZEENSHAN, M. (2013). Comparison of Stimulus-Organism-Response Framework between International and local retailer. 4th International Conference on Marketing and Retailing. INCOMAR. Elsevier. Malásia.

GRÖROOS, C. (2006). Adopting a service logic for marketing. Hanken Swedish School of Economics. Ed. SAGE. V. 6(3): p. 317–333 .Marketing Theory. Finland.

HAASE, J., WIEDMANN, K-P., & LABENZ, F. (2018). Effects of consumer sensory perception on Brand performance. Journal of Consumer Marketing. V. 35.

IHTIYAR, A., BARUT, M., & IHTIYAR, G. H. (2019). Experiential marketing, social judgements, and customer shopping experience in emerging markets, Asia Pacific Journal of Marketing and Logistics, Vol. 31 Issue: 2, pp.499-515. Ed. Emerald Insight. Disponível em: https://doi.org/10.1108/APJML-02-2018-0081. Acesso em 30.04.2019.

JOHN, I., EGELYNG, H., & LOKINA, A. (2016). Tanzanian food Origins and protected geographical indications. Future of Food: Journal on Food, Agricultura and Society. V. 4 (2), p. 6-12.

JOHNSON, Z. S., LEE, Y. J., & MASHOORI, M. T. (2017). Brand associations: the value of ability versus social responsabiliza depends on consumer goals. Journal of Brand Management. USA.

LEVITT, T. (2019). Marketing Myopia. Harvard Business Review, 1975. Disponível em: http://www.producao.ufrgs.br/arquivos/disciplinas/403_marketingmyopia.pdf. Acesso em 10.04.2019.

LUSCH, Robert F., & VARGO, S. L. (2006) Service-dominant logic: reactions, reflections and refinements. Ed. SAGE. V. 6(3): p. 281–288. Marketing Theory.

MONTEIRO, B., ABDALLA, C. C., & ARAUJO, C. L. (2018). Value co-creation in the speciality coffee value chain: the third-wave coffee movement. RAE. V. 58 (3), P. 254-266. São Paulo.

QUEIROZ, A. F. (2018). Measuring perceived value in food services: a survey of fast food consumers. (Master in Administration) - Postgraduate Course in Administration, Federal University of Mato Grosso do Sul, Campo Grande, Brasil.

SAVASTANO, M. (2003). Uma visão mercadológica do conceito de valor percebido pelo consumidor: as dimensões de valor do consumidor. São Paulo: FGV - EAESP, p.97.

PETRICK, J. F. (2002). Development of a multi-dimensional scale for measuring the perceived value of a service. Journal of Leisure Research, v. 34, n. 2, p. 119.

PRODANOV, C.C., & DE FREITAS, E. C. (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnica da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2a. ed. Feevale. Novo Amburgo, RS. Brasil.

TING, H., & THURASAMY, H. (2016). What matters to infrequent customers: a pragmatic approach to understanding perceived value and intestino to revest trendy coffee café. SpringerPllus.

TRIVIÑOS, Augusto N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

VANHARANTA, H., KANTOLA, J., & SEIKOLA, S. (2015). Customers conscious experience in a coffee shop. 6Th Internacional Conference on Applied human factors and ergonomics (ahfe 2015) and the affiliated conferences (ahfe 2015). V.3, p. 618-625. Elsevier.

VARGO, S. L., & LUSCH, R. F. (2004). Evolving to a New Dominant Logic for Marketing. Journal of Marketing, v. 68, p.1-17.

VARGO, S. L., & LUSCH, R. F. (2007). Service-dominant logic: continuing the evolution. Journal of the Academy Marketing Science.

Publicado
2021-03-05
Seção
Artigos